Qual é a formula para o sucesso?

Quando era criança pensava que eu seria bem-sucedido se conseguisse atar os meus atacadores/cadarços.

Já no colégio eu pensava que seria bem-sucedido que conseguisse namorar a rapariga mais bonita do colégio.

Ao chegar a faculdade pensei que seria bem-sucedido se conseguisse ter as melhores notas e ao mesmo tempo conseguir ir a todas as festas.

Durante o percurso percebi que nenhuma das definições de sucesso anteriores faziam sentido. Demorei algum tempo a lá chegar, mas desde criança persegui diversos objectivos que me motivaram a atingir o que sempre pensei que fosse o “verdadeiro sucesso”.

A psicóloga Ilona Tobin define o verdadeiro sucesso como:

“Dar e receber amor, ter saúde física e mental, possuir riqueza suficiente que lhe ofereça opções, e tempo para desfrutar de tudo isso.”

Verdadeiro Sucesso = Amor + Saúde + Riqueza + Tempo

Sendo tempo a parte mais importante da equação. Como gastamos e planeamos o nosso tempo durante a nossa existência no planeta.

Observe que na sua definição o dinheiro é mencionado, mas relacionado com palavras como “suficiente” e “opções”. E realmente é assim que a riqueza deve ser vista. Ter dinheiro suficiente para não precisar de pensar nele. Quase que parece uma mensagem espiritual. 😉

Analisando mais perfumadamente a definição…

Dar e receber amor – Eu não conheço ninguém que não goste de ser amado (mesmo aqueles que não gostam de mostrar). A nossa família, os nossos amigos, todos nós gostamos de estar rodeamos de pessoas que nos admiram e nos querem bem.

Ter saúde física e mental – É também uma área muito importante! Não é possível aproveitarmos a vida sem um corpo e um cérebro a funcionar decentemente. E se os dois unirem forças melhor ainda. Devemos exercitar tanto o corpo como a mente todos os dias adoptando um estilo de vida saudável.

Riqueza suficiente que lhe ofereça opções – Para ter liberdade de escolha de como queremos viver a vida. Observe que não diz nada sobre “ter um milhão de euros”, ou “ser podre de rico”. Diz apenas “o suficiente”, o que pode ser interpretado de diferentes maneiras dependendo da opinião de cada um. Mas esse deve ser o objectivo pelo qual todos devemos lutar e em seguida devemos ter a inteligência para saber quando o atingimos “o suficiente”.

E por fim… Tempo para desfrutar de tudo isso – A parte mais importante da frase. Tudo se resume a tempo. Eu acho que essa é a parte mais assustadora de todo o processo. Muitas pessoas vivem a vida gastando tudo o que ganham justificando essa atitude com motivos como “Nunca se sabe o dia de amanhã!”. O que não deixa de ser uma realidade, contudo as probabilidades estão do nosso lado e indicam que vamos passar um longo período de tempo no nosso planeta. É importante encontrar o equilíbrio e ambos os extremos (gastar tudo ou poupar demais) podem leva-lo a um caminho bastante tumultuado.

Tudo isto se resume a 2 coisas que devemos fazer:

  1. Devemos apreciar a nossa vida não ficando obcecados com metas a toda a hora! (Isto não quer dizer que as metas não são importantes).
  2. Reduzir o custo de vida para que possamos reduzir o tempo para a liberdade suprema. Porque como todos sabemos, quanto mais caro for o seu estilo de vida mais tempo vamos precisar de continuar a trabalhar para o sustentar.

E esta é razão por trás da reforma antecipada. Não é porque não quer trabalhar por ser preguiçoso (o que até podia ser um bom motivo), é porque você deve procurar aproveitar a sua vida plenamente tirando partido do amor, da sua saúde física e mental, do seu dinheiro que acumulou diligentemente durante a sua vida. E quanto mais cedo você atingir “o suficiente”, mais tempo vai ter para se divertir.

Como é que podemos fazer isto tudo sem grandes sacrificios no processo?

Essa é a parte difícil. 🙂 A razão pela qual muitos de vocês lêem blogues como este e é também a razão que me leva a pensar e escrever sobre estes temas. A vida é feita de altos e baixos, umas vezes andamos apressados, outras vezes andamos mais lentamente. Mas o importante é não perdemos o foco do “porquê” e continuarmos as nossas jornadas sem desistirmos das nossas metas.

Achei importante partilhar com vocês umas das melhores definições de verdadeiro sucesso que encontrei… “Dar e receber amor, ter saúde física e mental, possuir riqueza suficiente que lhe ofereça opções, e tempo para desfrutar de tudo isso”.

Seja qual for a sua definição de sucesso, dá o teu melhor nas tuas acções diárias eliminando a conformidade. Falhar faz parte da jornada e acho que é importante acrescentar esse ponto… Mais importante que ter sucesso é ter força para continuar a lutar após uma derrota.

Qual a sua definição de sucesso? Alguma coisa que gostavas de acrescentar ou retirar?

Obrigado pela leitura

Fundo Liberdade – Novembro 2015

Chegou a hora de actualizar o fundo liberdade já que estamos no início do mês. O fundo liberdade é o meu portfolio de acções. Espero que um dia o rendimento deste portfolio em dividendos possa cobrir integralmente as minhas despesas.

Irei actualizar este fundo todos os meses. Em cada actualização vou tentar adicionar novas posições ao meu portfólio, registar uma referência histórica, controlar o retorno total e ao mesmo tempo dar algum contexto sobre os mercados.

Outubro foi um mês de recuperação nos mercados. Podemos registar uma recuperação geral de todos os stocks da minha carteira. Outubro foi também um mês com pouco investimento no Fundo Liberdade devido à aquisição de um carro na Irlanda.

Em Outubro decidi reforçar a minha posição na Procter & Gamble (PG) comprando 16 títulos no dia 9 de Outubro a $74.72 por título. Reforçando assim a minha posição na PG de 14 para 30 títulos.

Esta aquisição adicionou $42.24 ao meu rendimento anual de dividendos.

O valor de mercado actual do Fundo Liberdade é de € 19.881,62.

O fundo liberdade é hoje composto por 7 posições em 6 sectores.

Estas actualizações são projectadas principalmente para mostrar as variações de valor das acções subjacentes onde decidi investir. O principal objectivo da minha estratégia de investimento é construir um fluxo de dividendos crescente e sustentável a longo prazo.

Sendo assim não pretendo colocar muita ênfase sobre estas actualizações mensais. No entanto, acho boa ideia acompanhar a valorização/desvalorização dos títulos e estar ciente das suas posições no mercado.

Acho este exercício extremamente útil. Ao actualizar os valores mensais consigo criar uma perspectiva sobre o meu portfolio e analisar quais os títulos com melhor e pior desempenho, permitindo-me tomar decisões fundamentadas sobre onde adicionar mais capital ou mesmo cortar se necessário.

Como foi o teu mês de Outubro? 

Obrigado pela leitura

Poupança em Outubro 2015

Tenho publicado os meus rendimentos e despesas mensais desde que iniciei o blogue. Faço isto por alguns motivos:

Faz parte desta experiência provar ao mundo que é possível criar uma fonte de rendimento passiva utilizando uma estratégia de investimento de crescimento de dividendos. Não tenho um ordenado anual de 6 dígitos e não sei se provavelmente um dia vou ter. Não é necessário. A maioria das pessoas concentram-se em aumentar o rendimento em vez de controlar as despesas. Se você ganhar € 200.000 por ano e gastar € 190.000 dificilmente consegue independência financeira.
Por outro lado, se levar para casa € 70.000 e aprender a sobreviver com 80% desse valor provavelmente será capaz de se reformar mais cedo.

O segundo motivo é a criação de um registo da minha jornada. Se pesquisar vai encontrar diversos registos de jornadas de outras pessoas financeiramente bem-sucedidas que conseguiram a independência financeira. Mas muitas vezes publicam o resultado muito depois de terem concluído a jornada e só depois explicam como conseguiram. É muito mais desafiante mostrar o processo em acção independentemente do resultado final.

E finalmente, registar e publicar onde gasto os meus euros serve de exercício para me motivar a continuar a minha jornada.

Rendimento em Outubro de 2015

Salário € 3.859,23
Outros € 16.053,84
Total € 19.913,07

Despesa em Outubro de 2015

Aluguer Apartamento € 1.500,00
Gás/Água/Electricidade € 118,00
Telecomunicações € 64,00
Mercearia € 173,12
Restaurantes € 264,05
Carro € 17.048,05
Transportes Públicos € 120,00
Médico € 110,00
Vestuário € 109,90
Entertenimento € 78,30
Outros € 90,34
Total € 19.675,76

Rendimento

Este mês recebi o salário de Setembro. Não recebi dividendos.
Outros são valores que recebo da partilha de aluguer do apartamento que estou a alugar com a minha namorada e a venda o meu carro português.

Despesa

Relativamente à despesa de Outubro. Os valores então dentro do orçamento, excepto a categoria Outros que inclui a compra de um carro:

1355018-l14256724

Poupança

Este mês consegui poupar apenas 1.19% do meu rendimento liquido este mês. Não consegui poupar muito devido à compra de um carro na Irlanda.

Um dos meus objectivos para este 2015 é poupar 20% do meu rendimento liquido anual. Apesar da grande despesa este mês continuo no bom caminho.

taxa_poupanca_liquida_mensal_out_2015

Estou com uma média mensal de poupança de 20.79%. Valor acima do meu objectivo para 2015.

Como foi o teu mês de Outubro? Tiveste algum acontecimento inesperado? Estás a bom ritmo para cumprir os teus objectivos anuais?

Obrigado pela leitura.

Os preços baixos devem ser uma justificação de compra?

Costumo ler vários blogues de investimento e tenho notado que vários autores têm falado sobre a compra de acções que têm descido ao longo do tempo. Parece que olhar para uma lista de acções dos maiores perdedores do ano tem sido o critério para alguns investidores. Vou explorar esta ideia neste artigo e compartilhar a minha opinião.

Mas antes de começar quero relembrar que pessoalmente eu procuro comprar stocks de empresas a um preço atraente com margem para crescer em que a taxa de valorização do stock somada à taxa de crescimento do dividendo é superior à taxa de inflação gerando um rendimento decente no processo.

Parece uma ideia agradável olhar para uma lista de empresas dos maiores perdedores. Pode ser uma maneira de identificar acções que teoricamente poderiam estar em saldo. 

Quando olhamos para uma empresa que parece estar barata porque o seu valor desceu recentemente é difícil termos a certeza que realmente bateu no fundo e não ficará ainda mais barata no futuro.

O problema é que olhando só para o preço em relação ao máximo do ano não é suficiente. O que importa é o preço em relação aos fundamentos.

Os investidores precisam de ter uma forma de avaliar sistematicamente os fundamentos usando informação relevante num modelo de forma a detectar se a acção está subavaliada ou sobrevalorizada podendo então formar uma decisão de compra. Uma mudança nos fundamentos pode justificar uma descida ou subida no preço da acção.

Por exemplo, em 1984 a Coca-Cola (KO) teve um EPS de $0,10. O preço da acção foi negociado entre $1,02 e $1,38 nesse ano. Hoje o preço da acção está perto de $40. Este aumento é justificado pelo valor do lucro por acção (EPS) que aumentou para mais de 2$ em 2014. Este crescimento do EPS permitiu à empresa continuar a aumentar os dividendos por 53 anos consecutivos.

Outro exemplo, no inicio de 2015 vários stocks de empresas petróleo e gás pareciam estar a um bom preço tendo em conta os rendimentos no ano fiscal de 2014. O problema é que muitos investidores ignoraram o facto da descida do preço do petróleo e consideram apenas o lucro do ano de 2014 (quando o preço do petróleo estava elevado), o que não foi suficiente para tomar uma decisão.

Os preços das acções da Chevron (CVN) e Exxon Mobil (XOM) desceram dos seus máximos e ainda não estão a um bom preço. Isto porque os fundamentos subjacentes se deterioram mais rápido do que o preço das acções. Portanto, no inicio de 2015 as acções estavam sobrevalorizadas apesar da descida.

Outro exemplo ainda mais recente, as acções da Wal-Mart (WMT) caíram de $90 no início de 2015 para menos de $59 hoje. As acções estavam sobrevalorizadas no início do ano e dada a decisão por parte do partido democrata em aumentar gradualmente o salário mínimo de $9 por hora para $12 por hora o EPS vai ter uma queda de 18% a 36% segundo as previsões da empresa, o que é uma grande descida para uma empresa de retalho. Actualmente as acções parecem baratas, no entanto as expectativas de crescimento dos fundamentos parecem ter mudado.

Se você acredita que o negócio não será capaz de aumentar o EPS de 3 a 4% ao ano na próxima década, então o crescimento do valor intrínseco da empresa não será suficiente para proporcionar um retorno satisfatório do seu investimento.

Caso você acredite que a empresa pode aumentar o EPS de 5 a 6% ao ano e ainda pagar um bom dividendo de 3% no processo, então a Wal-Mart poderá ser uma boa fonte de riqueza e renda passiva ao proprietário das acções.

Na minha opinião, eu não estou satisfeito com o facto da Wal-Mart não ser capaz de aumentar o EPS nos próximos 2/3 anos. Também não estou feliz com o baixo crescimento do dividendo nos últimos 2 anos. Como resultado a WMT não será uma das minhas escolhas para o Fundo Liberdade. O único resultado que eu poderia gerar é completamente especulativo (caso o preço por acção vá de $60 a $80). Não estou preocupado com o timing do mercado. Prefiro concentrar-me nos fundamentos a longo prazo.

Tomar decisões baseadas no preço, como o minimo das 52 semanas ou minimo do ano pode ser útil como primeiro passo no processo de descobrir se a empresa está subavaliada. 

Digo primeiro passo porque o investidor precisa ter em consideração as mudanças no poder subjacente do lucro. Se a fonte de lucro é prejudicada é bem possível que o declínio no preço seja garantido como também possa continuar a descer ao longo do tempo.

Como diz o velho ditado, não tente agarrar a faca quando está em queda. Isto significa que quando as acções de uma empresa estão em queda numa descida íngreme, podem continuar a descer com o tempo. Este é o momento em que comprar pequenas quantidades regularmente pode ajudar a suavizar o golpe. Outra forma é esperar que o preço pare de cair antes de iniciar a compra.

Eu não olho para os mínimos das 52 semanas ou para os valores mínimos do ano. Descobri que ter uma lista de empresas que se encaixam em determinados critérios predeterminados que vou rastreando regularmente é mais eficaz para descobrir boas oportunidades.

Para resumir, um preço baixo ou declínio no preço não é suficiente para que um negócio se torne numa oportunidade. Em vez disso é importante analisar se a empresa tem capacidade de gerar lucro. 

Se a capacidade de gerar lucro não for prejudicada e o stock se encontrar subvalorizado podemos estar perante  uma oportunidade. Se a capacidade de gerar lucro for prejudicada esse stock deverá ser descartado por investidores de crescimento de dividendos.

Achas que os preços baixos devem ser uma justificação de compra? Não concordas com a minha opinião?

Obrigado pela leitura

Compra: Procter & Gamble (PG)

P&G Profit Forecast Trails Estimates

O Sr. Mercado tem andado bem-humorado. O seu estado de espírito varia de deprimido para extasiado várias vezes ao dia. É realmente muito bobo.

Mas apesar de tudo continuo muito optimista e com boas perspectivas a longo prazo apostando em empresas de alta qualidade que fornecem produtos e serviços com procura.

Empresas que ano após ano se tornam mais rentáveis retornando um bom pedaço do lucro aos accionistas na forma de dividendos.

Tenho adquirido acções de algumas dessas empresas e aos poucos vou construindo uma fonte de rendimento passiva através do fundo liberdade.

Hoje adicionei mais algum capital ao meu fundo liberdade tirando partido do bom humor do Sr. Mercado.

Comprei 16 títulos da Procter & Gamble (PG) no dia 09/10/2015 a $74.72 por acção.

Reforçando assim a minha posição na PG de 14 para 30 títulos.

Visão Geral

A Procter & Gamble é uma empresa Americana fundada em 1837 que reúne um enorme conglomerado de sub-empresas, produzindo alimentos, produtos de higiene e limpeza, entre outros produtos. Em 2005 comprou a Gillette, é também dona das marcas Oral-B, das pilhas Duracell e electrodomésticos Braun. A P&G emprega actualmente mais de 138.000 funcionários em todo o mundo.

Detém mais de 380 marcas por todo mundo. Algumas delas são comercializadas apenas em alguns países, outras são consumidas em quase todo o mundo. Os principais países a receberem produtos da Procter & Gamble são os Estados Unidos e o Canadá e seu maior concorrente é a Unilever.

Riscos

A Procter & Gamble reportou um fraco crescimento das receitas no ano fiscal de 2015, apenas 1% impulsionada para baixo pelo sector de produtos de beleza e cuidados pessoais. Algumas das marcas da categoria de produtos de beleza foram mesmo alienadas com o objectivo da empresa se concentrar no core do negócio de uma forma positiva. Ao comprar PG os investidores ganham exposição a um rendimento de dividendo de 3,5%.

A taxa de crescimento no sector de bens de consumo tem sido em torno de 5-7% nos últimos 10 anos. Os motivos que levaram a uma desaceleração no crescimento em 2014 foi o alto preço do petróleo, o fraco crescimento dos mercados emergentes e a desaceleração da China.

Avaliação

O gráfico abaixo destaca as previsões para uma recuperação em 2015 e um crescimento mais forte em 2016 e além.

Olhando para as taxas de crescimento recentes da PG durante 2014 a empresa registou um crescimento orgânico de apenas 1,5%. No fim do ano fiscal em Junho de 2015 o seu crescimento foi apenas de 1% o que criou preocupação por parte dos investidores. Esta descida no crescimento veio da divisão de produtos de beleza e cuidado pessoal. Muitas da marcas que causaram estão em processo de alienação criando uma perspectiva de crescimento mais forte nas restantes divisões.

A empresa está a passar por uma fase de restruturação que terminará em 2017. Por esta altura a transformação do portfólio de produtos da PG estará concluída e a estrutura global de custos deve ser menor.

O número de acções poderá ser menor devido a um programa de recompra existente na PG.

Usando o Modelo de Gordon, com uma taxa de crescimento de 4.5% e uma taxa de desconto de 8% dá um valor justo de $78.82 por acção.

Com base no pagamento de dividendos actual de $0.66 por acção trimestral adiciono com esta compra $ 42.24 à minha receita anual de dividendos.

Conclusão

Este não é o melhor dos tempos para a Procter & Gamble, mas acredito que a PG vai ter melhores dias e a gestão vai modestamente crescendo o dividendo. A PG é uma compra segura para investidores de dividendos a longo prazo.

Avaliação de outros analistas

Morningstar avalia a PG como 4 de 5 estrelas, com um de valor justo de $75 por acção.

Qual a tua opinião sobre a Procter & Gamble? Achas que foi é bom investimento?

Concentre-se no crescimento de dividendos para resultados a longo prazo

Se tem acompanhado o meu blogue já deve saber que investir em dividendos é uma estratégia de investimento muito poderosa.

Durante os últimos 85 anos as títulos de dividendos contribuíram em 43% do retorno total do S&P 500.

Se analisarmos o período de 1990 a 2012 os números são ainda mais impressionantes.

Esta estratégia não se limita apenas a gerar um fluxo de renda constante, tem também um óptimo desempenho a longo prazo. O segredo por trás da estratégia é um conceito simples chamado Crescimento de Dividendos. Ao construir uma carteira com rendimento de dividendos médio igual ou superior a 3% e com um crescimento de dividendos mínimo anual de 2-3% você consegue assegurar um crescimento superior à inflação. Em outras palavras, a sua carteira não só gera um rendimento de 3% como o crescimento do fluxo de renda será superior à taxa de inflação.

O gráfico seguinte mostra os preços dos títulos da Disney (DIS) e a Johnson & Johnson (JNJ) e o crescimento de dividendos em pontos percentuais nos últimos 10 anos. Como pode observar uma estratégia de crescimento de dividendos agressiva leva a um crescimento do preço do titulo mais elevado (DIS), enquanto um crescimento de dividendos razoável e consistente garante um aumento no preço do titulo constante. Em ambas as situações os accionistas ficam satisfeitos com os resultados.

Este é o principal motivo que faz com que o crescimento de dividendos a minha estratégia de investimento. Esta estratégia impulsiona o preço dos títulos e gera um crescimento de fluxo de renda constante.

Quando adoptamos uma estratégia de investimento em dividendos não podemos estar focados somente no rendimento, devemos também medir a taxa de crescimento do dividendo.

Na realidade se o rendimento fosse o único factor importante nunca teria escolhido stocks como a Disney (DIS) ou a Apple (APPL). O que me chamou a atenção nestes stocks foi a demonstração de vontade da gestão das empresas em aumentar o dividendo ano após ano.

A taxa de crescimento de dividendos tem sido um um factor determinante superior ao retorno das acções numa época onde os níveis de incerteza dos mercados são elevados.

Por outras palavras, se encontrar uma empresa que está a aumentar continuamente o pagamento de dividendos e mostra métricas que garantem uma sustentabilidade no crescimento de dividendos, está perante um stock com sub-desempenho para os próximos anos.

O impacto do aumento de dividendos no preço do stock é astronómico. Aharony & Swary provou que o aumento de dividendos normalmente gera um aumento do preço do stock em média de 2%. Por outro lado, Healy and Palepu provou que o corte de dividendos contribui para uma descida do preço do stock em média de 9,5%. É por isso que a taxa de crescimento de dividendos deve ser um factor importante ao seleccionar uma stock para a sua carteira.

Devemos garantir que ambos os indicadores (rendimento e a taxa de crescimento) são positivos para assegurar um maior retorno a longo prazo. A taxa de crescimento do dividendo é também um indicador de confiança na administração da empresa.

Desta forma vou continuar a construir uma carteira sólida de stocks que provavelmente não irei vender nos próximos anos.

Qual a sua opinião sobre a estratégia de crescimento de dividendos?

Obrigado pela leitura

Fundo Liberdade – Outubro 2015

Chegou a hora de actualizar o fundo liberdade já que estamos no início do mês. O fundo liberdade é o meu portfolio de acções. Espero que um dia o rendimento deste portfolio em dividendos possa cobrir integralmente as minhas despesas.

Irei actualizar este fundo todos os meses. Em cada actualização vou tentar adicionar novas posições ao meu portfólio, registar uma referência histórica, controlar o retorno total e ao mesmo tempo dar algum contexto sobre os mercados.

Setembro foi um mês pouco activo por não ter conseguido poupar muito dinheiro. O mercado automóvel foi afectado pelo escândalo da Volkswagen, uma das histórias do mês que criou danos colaterais no meu investimento na BMW. Mas a empresa continua forte e acredito que venha a recuperar a longo prazo.

Apesar de tudo o mês foi bastante estável e continuo motivado para continuar a minha jornada seguindo alguns princípios que continuo a praticar todos os dias. Escolher tempo em vez do dinheiro, a liberdade ao invés da escravatura, a paixão em vez do trabalho e a simplicidade ao invés da complexidade. Procuro libertar tempo ao simplificar a minha vida permitindo-me concentrar esse tempo seguindo as minhas paixões.

Este mês decidi comprar títulos na área de saúde e adicionei a Johnson & Johnson (JNJ) ao fundo liberdade comprando 15 títulos no dia 28 de Setembro a $90 por título. A Johnson & Johnson já andava no meu radar à algum tempo e aproveitei o mês de Setembro para abrir a minha posição e espero adicionar mais títulos nos próximos meses.

Esta aquisição adicionou $45 ao meu rendimento anual de dividendos.

O valor de mercado actual do Fundo Liberdade é de € 16.540,91.

O fundo liberdade é hoje composto por 7 posições em 6 sectores.

Estas actualizações são projectadas principalmente para mostrar as variações de valor das acções subjacentes onde decidi investir. O principal objectivo da minha estratégia de investimento é construir um fluxo de dividendos crescente e sustentável a longo prazo.

Sendo assim não pretendo colocar muita ênfase sobre estas actualizações mensais. No entanto, acho boa ideia acompanhar a valorização/desvalorização dos títulos e estar ciente das suas posições no mercado.

Acho este exercício extremamente útil. Ao actualizar os valores mensais consigo criar uma perspectiva sobre o meu portfolio e analisar quais os títulos com melhor e pior desempenho, permitindo-me tomar decisões fundamentadas sobre onde adicionar mais capital ou mesmo cortar se necessário.

Como foi o teu mês de Setembro? 

Obrigado pela leitura

Poupança em Setembro 2015

Tenho publicado os meus rendimentos e despesas mensais desde que iniciei o blogue. Faço isto por alguns motivos:

Faz parte desta experiência provar ao mundo que é possível criar uma fonte de rendimento passiva utilizando uma estratégia de investimento de crescimento de dividendos. Não tenho um ordenado anual de 6 dígitos e não sei se provavelmente um dia vou ter. Não é necessário. A maioria das pessoas concentram-se em aumentar o rendimento em vez de controlar as despesas. Se você ganhar € 200.000 por ano e gastar € 190.000 dificilmente consegue independência financeira.
Por outro lado, se levar para casa € 70.000 e aprender a sobreviver com 80% desse valor provavelmente será capaz de se reformar mais cedo.

O segundo motivo é a criação de um registo da minha jornada. Se pesquisar vai encontrar diversos registos de jornadas de outras pessoas financeiramente bem-sucedidas que conseguiram a independência financeira. Mas muitas vezes publicam o resultado muito depois de terem concluído a jornada e só depois explicam como conseguiram. É muito mais desafiante mostrar o processo em acção independentemente do resultado final.

E finalmente, registar e publicar onde gasto os meus euros serve de exercício para me motivar a continuar a minha jornada.

Rendimento em Setembro de 2015

Salário € 4.381,46
Outros € 248,34
Total € 4.629,80

Despesa em Setembro de 2015

Aluguer Apartamento € 1.500,00
Gás/Água/Electricidade € 266,46
Telecomunicações € 64,00
Mercearia € 83,27
Restaurantes € 150,27
Carro € 9,00
Transportes Públicos € 60,00
Barbeiro € 20,00
Viagens € 535,44
Entertenimento € 33,20
Banco € 8,88
Electrónicos € 479,00
Software € 15.20
Outros € 1060,00
Total € 4.277,34

Rendimento

Este mês recebi o salário de Agosto. Não recebi dividendos.
Outros são valores que recebo da partilha de aluguer do apartamento que estou a alugar com a minha namorada.

Despesa

Relativamente à despesa de Setembro. Os valores então dentro do orçamento, excepto a categoria Outros que inclui um empréstimo de 1000 euros, a categoria Viagens que inclui as despesas das férias e a categoria Electrónicos que inclui o Apple Watch. O valor Gás/Águas/Electricidade foi acima da média devido a ajustes e fecho de contas ao mudar de fornecedor.

Poupança

Consegui poupar 7.45% do meu rendimento liquido este mês. Não consegui poupar tanto quanto tinha previsto devido a ter feito um empréstimo que espero recuperar nos próximos meses.

Um dos meus objectivos para este 2015 é poupar 20% do meu rendimento liquido anual. Continuo no bom caminho.

Estou com uma média mensal de poupança de 22.97%. Valor acima do meu objectivo para 2015.

Como foi o teu mês de Setembro? Tiveste algum acontecimento inesperado? Estás a bom ritmo para cumprir os teus objectivos anuais?

Obrigado pela leitura.

Compra: Johnson & Johnson (JNJ)

Mais o vez o Sr. Mercado entrou em modo de pânico. Parece que o mercado está em declínio 1% ao dia. A média do Dow Jones Industrial caiu quase 600 pontos na segunda-feira, 24 de Agosto e entrou oficialmente em modo de correcção. Os investidores estão nervosos após o declínio dos preços das commodities, a subida do dólar americano e a ameaça de desaceleração do crescimento económico dos mercados emergentes.

Apesar de tudo as empresas blue-chip continuam a dar o seu melhor gerando um crescimento de lucro constante e compensando os accionistas com um aumento progressivo de dividendos.

O gigante da industria da saúde Johnson & Johnson (JNJ) é exactamente esse tipo de empresa. O preço das acções está em declínio, mas isto é um caso clássico da irracionalidade do Sr. Mercado. Este é o momento em que os investidores devem usar esta queda como uma oportunidade para intervir e comprar esta empresa de alta qualidade.

Comprei 15 acções da Johnson & Johnson (JNJ) no dia 28/09/2015 a $90 por acção.

Visão Geral

A Johnson & Johnson é uma empresa americana fundada em 1886, especializada na produção de farmacêuticos e utensílios médicos. A sede da empresa localiza-se em Nova Brunswick, Nova Jersey, Estados Unidos. A empresa tem aproximadamente 250 subsidiárias operando em mais de 90 países, e seus produtos são vendidos em mais de 175 países. A JNJ é a maior empresa de dispositivos médicos do mundo e a quinta maior empresa mundial de farmacêuticos. É líder de mercado em diversos sectores e obtém 70% da receita vinda desses sectores que lidera.

Riscos

No último trimestre a receita caiu 8,8% severamente impactada pelo câmbio. Se o dólar americano continuar a valorizar a receita da JNJ será directamente afectada nos próximos trimestres.

Avaliação

Os investidores devem esperar um crescimento sustentável nos próximo trimestres.

Um dos catalisadores deste crescimento é a sequencia de produtos farmacêuticos que a JNJ têm em estágio final registados nos Estados Unidos e nos mercados internacionais incluindo o Xarelto (anticoagulante usado para prevenir tromboses) e Invokana (usado para controlar os níveis de açúcar no sangue para tratamento de diabetes).

A receita orgânica aumentou 1% nos produtos farmacêuticos durante o último trimestre impulsionado por um crescimento de vendas de novos produtos bem como dos produtos existentes. Houve um crescimento sólido provocado pela venda de Invokana usado para tratamento de diabetes tipo 2 e pelo tratamento de hepatite C com Olysio que duplicou as vendas nos mercados internacionais.

Os novos produtos vão chegar ao mercado nos próximos meses em áreas-chave de tratamento de doenças cardiovasculares, imunológicas e oncológicas. O que deve impulsionar ainda mais o crescimento do negócio.

Além da promissora sequência de produtos que a deverá proporcionar um crescimento significativo, a JNJ têm o beneficio do seu negócio de produtos de consumo. Marcas como a Tylenol, Band-Aids e Neutrogena proporcionam estabilidade no segmento de consumo. A empresa é a sexta maior empresa de consumo de saúde do mundo.

No último trimestre a receita cresceu 3.1% nos produtos de consumo graças ao sucesso de produtos como o Zyrtec (antialérgico). Outra área de alto crescimento é a saúde oral que cresceu 3.5% nos Estados Unidos e 5% internacionalmente graças à marca Listerine.

Os investidores têm uma serie de catalisadores a trabalhar a seu favor e considerando o histórico de crescimento constante da empresa parece-me um investimento promissor.

A JNJ é um stock lendário de dividendos. A empresa tem vindo a aumentar o seu dividendo por 53 anos consecutivos. Oferecendo um yield muito atractivo de 3.3% e PE 16.39.

Usando o Modelo de Gordon, com uma taxa de crescimento de 7% e uma taxa de desconto de 10% dá um valor justo de $107 por acção.

Conclusão

Eu acredito que a Johnson & Johnson é um dos melhores investimentos de longo prazo que uma pessoa pode fazer. A sua história e a sua posição no mercado de saúde apontam para o sucesso a longo prazo da empresa.

Com base no pagamento de dividendos actual de $0.75 por acção trimestral adiciono com esta compra $ 45 à minha receita anual de dividendos.

Esta foi a minha primeira compra da Johnson & Johnson e espero poder reforçar a minha posição brevemente.

Avaliação de outros analistas

Morningstar avalia a JNJ como 4 de 5 estrelas, com um de valor justo de $99 por acção.

Qual a tua opinião sobre a Johnson & Johnson? Achas que foi um bom investimento?

Obrigado pela leitura

Mantenha-se calmo e continue investindo em dividendos

Em primeiro lugar peço desculpa pela minha ausência mas foi por uma uma boa causa. Estive 10 dias de férias na Croácia. Não tive tempo para continuar a escrever ou para fazer novos investimentos. Mas durante as férias aproveitei para reflectir um pouco sobre a minha estratégia de investimento em dividendos e voltei ainda mais focado nos meus objectivos.

A maior vantagem de investir em dividendos é a capacidade de definir uma meta e acompanhar o seu progresso. Isto ocorre porque o rendimento de dividendos é muito mais estável do que o preço das acções. É relativamente fácil medir a nossa posição actual em relação ao nosso objectivo. Já o valor das acções é por outro lado extremamente volátil o que torna o planeamento de resultados extremamente difícil devido a sua natureza especulativa. Se ninguém consegue prever com precisão o preço das acções, como pode alguém contar com o preço das acções para definir um objectivo?

Vamos olhar para dois cenários diferentes. Imagine que no primeiro cenário o seu objectivo é ter 500.000 euros em 20 anos. Com base na regra dos 4%, você pretende reformar-se e começar a vender 4% dos seus activos por ano de preferência numa altura em que o mercado se encontre Bull (como tivemos em 1999-2000). Você vai poupando algum dinheiro a cada ano e o valor do mercado de acções vai crescendo a cada ano. Após 19 anos a sua carteira ganha um valor de mais de meio milhão de euros. Você decide esperar mais um ano a fim de reforçar a sua carteira e cumprir o seu objectivo temporal de 20 anos. Infelizmente esse ano passa a ser o primeiro ano de mercado bear e as suas acções caem 30% no primeiro ano e 20% no ano seguinte. Está preparado para se reformar? Se tivesse tomado essa decisão dois anos atrás seria um bom momento, mas nessa situação você decide continuar a trabalhar por uma quantidade desconhecida de tempo até que o mercado recupere.

No segundo cenário, o objectivo é gerar uma renda anual de 20.000 euros em 20 anos. Você poupa a mesma quantidade de dinheiro do primeiro cenário reinvestindo os dividendos não estando preocupado com as flutuações do mercado. Pode dar-se a esse luxo porque os dividendos são mais estáveis que o valor das acções e tem um crescimento quase todos os anos. A única época em que a media dos dividendos do S&P 500 caiu significativamente nos últimos 90 anos foi durante a Grande Depressão de 1929-1932 e durante a Grande Recessão de 2008. Desde 1960 a única queda significativa na remuneração anual de dividendos foi em 2008. Isso indica uma taxa de sucesso de mais de 98%. Considerando que uma diminuição significativa acontece quando o rendimento anual de dividendos tem uma queda superior a 4%.

SPDPS

No segundo cenário você recebe um feedback imediato no momento que investe o seu dinheiro e recebe a sua declaração de corretagem. Essa declaração mostra o retorno que você teve até ao momento e o valor estimado que poderá ganhar por ano. Isto permite verificar o seu progresso em relação ao seu objectivo.

Stock blue chip é um stock de uma empresa bem estabelecida e financeiramente sólida que actua à vários anos. Um stock blue chip normalmente tem uma capitalização de mercado na ordem dos mil milhões, geralmente é líder de mercado ou está entre as três maiores empresas do sector.

O histórico de pagamento de dividendos de stocks blue chip têm-se mantido estável e crescente ao longo do tempo tornando possível planear metas sobre o rendimento de dividendos. Ao monitorar a receita de dividendos pode acompanhar o pregresso e garantir que está no caminho certo da sua meta e pode sempre ajustar a sua estratégia por exemplo substituindo uma empresa que deixou de ter peso na sua sinfonia de crescimento de dividendos.

Se você traçar o seu rendimento de dividendos recebido a cada trimestre ou a cada ano encontrará um caminho previsível e constante na direcção à sua meta. Se por outro lado traçar o seu rendimento pelo valor da sua carteira irá encontrar vários períodos de turbulência a curto prazo na sua jornada.

Por exemplo, se o valor da sua carteira atingir 450.000 euros em 16 anos pode acreditar que está no caminho certo. No entanto, se o mercado der um tombo de 30-40% de imersão. Continuará convencido que está no caminho certo?

O problema em depender do valor da carteira é que esse valor é estabelecido pelo estado emocional do Sr. Mercado que é irracional na melhor das hipóteses. O humor do Sr. Mercado pode ser optimista num ano e no ano seguinte ser profundamente pessimista. Os pagamentos de dividendos por outro lado são dependentes dos fundamentos subjacentes das empresas havendo uma ampla margem de segurança entre ganhos e pagamento de dividendos. As empresas com stocks blue chip raramente cortam ou eliminam os seus dividendos durante uma recessão.

Por exemplo em 2008 o stock da empresa Johnson & Johnson (JNJ) valia $ 62 por acção e pagava um dividendo de $ 0.41 por trimestre por acção ($ 1.66 por ano). O valor do dividendo aumentou de $ 0.41 para $ 0.75 por acção em 2015. O preço da acção vale agora cerca de $ 91, embora fosse muito mais elevado no final de 2014.

Se analisarmos o preço da acção na ultima década, parece que teve vários altos e baixos. Ficou entre $60 e $70 até 2008, em seguida desceu a $50 no inicio de 2009, manteve-se nos $60 até meados 2012. Em 2013 disparou acima dos $70 atingindo um valor próximo dos $110 no final de 2014.

JNJdecade

Isto mostra que os ganhos de capital são imprevisíveis, dificilmente consegue prever o que vai acontecer no dia seguinte. Você pode investir numa empresa que está a desempenhar uma excelente performance de vendas e a atingir resultados fabulosos e o seu stock pode não reflectir esse sucesso.

Imagine que investiu em empresas que não distribuem dividendos e tem que vender acções a fim de pagar algumas despesas durante a sua reforma. Imagine também que o mercado não cresce nos próximos 6 anos. Como resultado você começa a vender as suas acções a baixo preço para financiar as suas despesas. O mercado define o preço que quer e terá que seguir a sua tendência. Mas terá que continuar a vender as suas acções para continuar a viver confortavelmente durante a sua reforma.

Nesse momento você está à mercê do Sr. Mercado que pode valorizar ou desvalorizar de 5 a 100 vezes o seu valor actual. É de pouco consolo que as acções subam depois. Você vendeu a preços baixos durante 6 anos consecutivos, provavelmente vendeu um quarto das suas poupanças a preço de saldo. Isto não é uma forma inteligente de gerir a sua riqueza.

Se você analisar a tendência de crescimento de dividendos anuais a história é bem diferente. O dividendo anual aumentou de $ 1.46 por acção em 2006 para $ 2.95 por acção em 2015. Um investidor que incidiu sobre os fundamentos subjacentes, contrariamente ao preço das acções especulativas, teria mantido o seu curso. Se estivesse vivendo dos dividendos de empresas como a Johnson & Johnson e outras empresas similares da sua carteira, você não teria sequer notado que o mundo tinha experienciado uma crise financeira entre 2008 e 2009.

Quando você investe num stock de dividendos, você está a pagar para ser paciente e armazenar a longo prazo. Os dividendos que vai recebendo servem como reforço positivo ajudando a manter a calma e ignorar a volatilidade do Sr. Mercado. Esta é a forma inteligente de construir riqueza, incentivada por vários incluindo Warren Buffet. Como se costuma dizer, devagar se vai ao longe.

Como podemos ver a partir dos dados apresentados acima, ninguém pode dizer se a Johnson & Johnson vai vender por $60 ou por $120 no próximo ano. No entanto, eu tenho quase certeza que nos próximos 12 meses a Johnson & Johnson vai pagar pelo menos $3 anuais por acção que detém. É por isso que uma estratégia de viver de dividendos na sua reforma é mais sustentável do que uma estratégia de vender pedaços do seu portfólio para viver.

Actualmente por cada $ 1000 que um investidor coloca na Johnson & Johnson pode esperar gerar mais de $32 de renda anual de dividendos. Se a história servir de guia o fluxo de renda vai aumentar acima da taxa de inflação ao longo do tempo. Se um investidor precisa de $1000 para viver de renda mensal na sua reforma pode ver que está a 0.3% da sua meta. Ao poupar e investir em empresas como a Johnson & Johnson, um investidor em dividendos é capaz de ver resultados imediatos à medida que o seu rendimento de dividendos continua a subir. Você consegue controlar facilmente o seu progresso em relação aos seus objectivos.

Ao seguir este plano, estará cada vez mais próximo da sua independência financeira a cada investimento que faz. E isso meus amigos é uma jornada longa e emocionante.

Está interessado em seguir esta jornada? Qual é o teu objectivo para a sua reforma?

Obrigado pela leitura.